A ausência e a culpa

Olá Divinas,

Sei que ando bem em falta com vocês, mas prometo me dedicar mais um pouco ao blog. Hoje conversando com a Ruth (para quem não sabe, trabalhamos juntas desde 2010) estava relembrando do período em que eu voltei a trabalhar e tive que colocar meu filho na creche... até hoje muitas amigas me perguntam como eu fiz para superar essa fase. Na verdade, eu nunca superei e me culpo TODOS OS DIAS por ser ausente ausente da vida do meu filho. Estou com ele todos os dias, mas eu me sinto ausente. É extremamente difícil encontrar meu pequeno todos os dias após um longo dia de trabalho e vê-lo mais esperto, evoluído e aprendendo coisas a qual não fui eu quem ensinei... mais difícil que chegar em casa e ver estas mudanças, é sair para trabalhar e ter que deixa-lo aos cuidados de outras pessoas. Antes era na creche, hoje, ele fica em casa aos cuidados de uma babá com a supervisão e ajuda da vovó.

Então, em relação a superar a culpa, todos os dias é uma superação. E o que me dá o conforto é saber que vou voltar para casa e ficar com meu pequeno, o que faço é simplesmente aproveitar o máximo de tempo com ele, brinco, corro, me jogo no chão, faço cavalinho, deito, rolo e fico grudada até ele dormir. Muitas vezes eu nem consigo jantar ou tomar banho para ficar com ele. Às vezes ele sente tanta falta que quando chego em casa mal consigo trocar de roupa porque o Pedro quer ficar grudado em mim, chamando “mamãe, mamãe” o tempo todo. Às vezes chega a ser um pouco estressante e cansativo, mas daí eu lembro que meu filho não tem culpa de minha ausência, e ele não entende minhas necessidades de comer ou tomar um banho quando chego do trabalho, e a prioridade será sempre ele, acima de qualquer coisa.

O que importa realmente não é a quantidade, e sim a qualidade do tempo que você fica com seu filho. Uma vez uma amiga me perguntou e eu respondi exatamente esta frase: O importante é a qualidade!

Eu e meu filho Pedro


Um dica muito importante, antes de voltar a trabalhar, procure deixar seu filho com alguém em que você realmente confie, para que possa trabalhar com calma e sem tantas preocupações. Meu filho ficou em torno de 1 ano e 4 meses em creche (muito tempo para uma criança de apenas 1 ano e 8 meses não é mesmo?), e agora ele fica em casa aos cuidados de uma pessoa de muita confiança. Acabei tirando ele da creche numa atitude drástica tomada pelo meu esposo. Quer saber? Melhor atitude impossível, mas isso eu explico a vocês em um próximo bate-papo. Prometo não demorar. E lembre-se: curta muito seu filho, pois o tempo não corre, voa! Aproveite cada minuto que puder!

Bem, vou indo cuidar do meu pequeno, volto em breve para novos papos!


Beijos


Adrilúcia

Comentários

  1. Difícil amiga mas i que importa não e o tempo e sim a qualidade de amor,carinho e atenção aos filhos!!

    ResponderExcluir
  2. Eu voltarei a trabalhar em fevereiro e já estou me martirizando todos os dias... é muito amor, muito cuidado... affy... ela vai ficar com minha mãe. Adorei o texto, parabéns!!! Beijos.

    Renata Santos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também fiquei assim preocupada Renata. Um dia antes de levá-lo a creche tive uma crise de choro. Mas na época eu realmente não tinha com quem deixá-lo e a creche foi a opção. Que bom que ficará com sua mãe, não tem opção melhor que os cuidados da vovó. Aproveite esse tempo com a Mariana, é muito bom essa fase!
      Beijos e obrigada, volte sempre!

      Excluir
  3. Muito bom ler seus comentarios!!!

    ResponderExcluir
  4. Cinthia Lins Galindo Diasquarta-feira, 13 novembro, 2013

    Vc estava adivinhando, vou colocar minha filha ano que vem na creche mas ela já está com 1 ano e 2 meses, estará com 1 ano e 5 meses quando for para creche, mas não será o dia todo, se Deus quiser dará tudo certo. Obrigada pelas dicas. Beijos e saudades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cinthiiaaa adorei sua visita. Aproveito e sugiro que você leia a matéria com as dicas para escolha da creche: http://www.mulherdivina.com.br/2012/08/dicas-para-escolha-da-creche.html

      Se precisar de ajuda conte comigo! Beijoss e volte sempre!

      Excluir
  5. Adorei a matéria Dri!
    No meu ponto de vista, eu acho que não devemos seguir por essa linha de culpa, pelo simples fato de estarmos ausente não porque queremos e sim, porque precisamos. Acho que com esse pensamento podemos parar de ficar nos martirizando e conseguir utilizar do tempo que temos para darmos o carinho, atenção e amor aos nossos filhos.

    Cintia Katiane!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Cintoca, mas não tem como não nos culparmos de vez em quando quando chegamos em casa e vemos que passamos o dia longe do nosso filho. Ver aquela criaturinha com o sorrisão e chamando "mamãe"... chega dá uma dor no peito. Eu preciso trabalhar e também não me vejo sem meu trabalho, para ser feliz, preciso do meu filho, do trabalho.. de fazer de tudo um pouco. No seu caso, eu sei que você sofre ainda mais, pois acaba se ausentando muito por causa do seu trabalho. E este foi um dos motivos por ter deixado essa vida louca que eu levava com você!

      Seja bem vinda amiga, volte sempre!

      Excluir

Postar um comentário

Comente aqui!

Postagens mais visitadas