Creche X Casa


Quando eu decidi ser mãe, uma das primeiras decisões que tomei foi que meu filho iria para uma creche. Na minha opinião  a creche seria o melhor meio para criá-lo, visto que lá ele iria ter bom desenvolvimento psicológico, mental, iria aprender a conviver com outras crianças, saber dividir, aprender a comer bem entre outras coisas. O pediatra do Pedro desde o princípio abominou a ideia, mas como eu também não tinha outra saída - ter alguém que pudesse ficar com ele, também não tive outra opção. 

Antes de colocá-lo, pesquisei inúmeros locais, realizei visitas, chequei detalhes, regras, funcionamento e muitas outras coisas onde citei no post Dicas para a escolha da creche .  Só que, desde que meu filho passou a frequentar o novo ambiente, não teve um mês sequer que ele não tenha adoecido. Todos os meses, pelo menos uma vez, o Pedro adoeceu... eram febres, resfriados, catarros, nariz escorrendo... e isso era algo recorrente. Tão recorrente, que quando eu chegava no consultório do pediatra, ele já sabia o diagnóstico: “Escolite”. Um nome carinhoso dado aos resfriadinhos de escolinhas/creches.

O maior problema do Pedro frequentar a creche era quando adoecia, eu me afastava completamente de meu trabalho para cuidar dele em casa para só então ele retornar para a escolinha. Mas isso não acontecia com todas as crianças, muitos pais levavam seus filhos meio adoentados para lá e isso acabava virando um ciclo, então sempre existia uma criança doente. Acho que por outro lado, também faltava uma rígida fiscalização por parte da direção da escola na intenção de barrar crianças doentes do convívio de crianças sadias. A regra existia, mas na prática muitos pais não obedeciam.  Também entendo o outro lado, de que os pais precisavam trabalhar e muitas vezes não tinham com quem deixar os filhos. Mas poxa, não era justo comigo. Sempre que o Pedro adoecia, eu me sacrificava, faltava trabalho para cuidar dele, e porque outros pais não podiam fazer o mesmo??!



Sei também que esse assunto divide opiniões sobre a criança adoecer ou não estando em uma creche.  Claro que toda criança adoece! Mas a criança em uma creche fica bem mais vulnerável.  Pode pesquisar por aí! Isso é fato! Mas também não é regra, e toda regra tem sua exceção. 

Diante destas situações de doenças,  de chegar inclusive a adoecer mais de uma vez em menos de um mês, meu esposo tomou a decisão de afastá-lo em definitivo da creche e colocar uma babá para tomar conta dele.

Hoje o  Pedro está ótimo. Não adoeceu mais, nem teve sequer uma coriza... a vovó paterna é quem fica na supervisão dando o apoio necessário para a cuidadora do meu pequeno, que é uma pessoa ótima e de confiança. Hoje posso trabalhar tranquila, mais focada,  pois sei que ele está bem em casa e em boas mãos. Sem precisar ficar rezando para que ele não adoeça, nem tendo que sair 15 minutos mais cedo todos os dias para pegá-lo na escolinha, pois o horário acabava sendo inconveniente ao meu horário de trabalho. Outro fator que contou pontos na decisão de afastá-lo. Em conversa com outras amigas mamães, uma das grandes dificuldades são os horários oferecidos pelas escolinhas, pois geralmente trabalhamos até às 18h, e as creches tem seu horário de funcionamento até às 17:30, 18h no máximo, sendo inviável você conseguir sair do trabalho e chegar para buscar o filho às 18h, só se eu me tele transportasse.

Hoje, tenho um pensamento diferente, mas tive que viver, passar, sofrer, ver  meu filho sofrer também  para entender que nem tudo o que a gente pensa ou quer, é o que de fato deve ser e é o melhor.  Se eu pudesse voltar no tempo, jamais o teria colocado em uma creche, mas a experiência foi válida, pois pude ver o outro lado da moeda. Ainda continuo achando a creche um ótimo lugar, mas em último caso, se não restar nenhuma outra opção.

Se você está pensando em colocar seu filho em uma creche, pense muito bem antes. Pese todos os prós e contras. Hoje vejo que meu filho sofreu muito e cada vez que adoeceu... foram consultas e consultas, remédios, injeções, antibióticos... até fisioterapia respiratória ele teve que fazer. E não quero que ele passe por isso novamente.

Se você está na dúvida pensando em colocar, espero que meu relato possa contribuir na sua decisão.

Beijos


Comentários

  1. Eis a dúvida cruel..mas seu post foi muito esclarecedor...obrigada pelas dicas..Bjs Erica Mendonça

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comente aqui!

Postagens mais visitadas