Será que me excedi? Quando a superação se torna excesso



Você deseja se superar a cada dia? Conquistar! Emagrecer! Trabalhar mais, ter novos clientes? Qual o preço que você tem pago em busca dessa superação? Como andam suas emoções? Será que você está transformando a superação em excesso?

Depois de me sentir bem estressada e ansiosa ao lidar com algumas situações de minha vida, que me fizeram mal, aprendi como é fácil confundir superação e excesso. O mundo é uma grande escola e seria ótimo se pudéssemos olhar mais a nossa volta e aprender um pouco mais.

Veja o sol, ele tem hora para nascer e se pôr, e nunca se atrasa. A natureza tem suas estações, os animais tem o tempo de se reproduzir, as flores tem a hora de florar e em seguida dar frutos, mas tudo na sua hora determinada, tudo dentro do seu limite. Nós deveríamos observar a vida e aplicar seus princípios em nossa própria vida. Ter rotina, ter horário certo e ter limites.

A linha tênue entre a superação e o excesso

Existe uma linha muito tênue entre se superar e se exceder. Diariamente nós temos que nos mover, trabalhar, estudar, limpar, cuidar de muitas coisas, gerenciar e se superar para dar conta de tudo. Porém, tem sido muito comum que as pessoas não apenas superem seus limites mas também se excedam.

Se superar é necessário e dói

Veja bem, se superar é necessário. Quantas vezes, sem querer, a gente precisa se levantar, superar a preguiça, superar uma cólica, uma dor de cabeça? Superar aquela louça suja enorme se acumulando na pia. Se superar é bom mas muitas vezes a superação dói. Quando começamos ou recomeçamos uma academia, por exemplo, temos que nos superar a partir do momento que colocamos a roupa pra ir pra lá porque muitas vezes não queremos ir. Então, a superação já começa aí. Superamos o nosso desejo de não ir e lá temos que superar a vontade de não fazer exercício, de não completar as séries. E o processo de superação é doloroso. Mas, ao final, a superação gera muita satisfação.

Conheça seu limite

O excesso pode ser uma superação sem limite. Temos que ter sensibilidade para observar em que ponto a nossa superação pode estar se tornando excesso porque o excesso começa com uma superação mas ele é uma superação sem limite. Por exemplo, digamos que você queira adiantar alguns trabalhos ou aumentar a sua produtividade. Então você supera as suas 6h00 de trabalho contínuo e passar trabalhar 8h00 continuamente, sem intervalos. A superação dói, você vai precisar tomar um café, você vai ter que se esforçar pra ficar atento, vai ter que usar mais a mente, Isso pode ser custoso e doloroso. Mas se você ficar nove, 10h trabalhando continuamente você vai começar a entrar na zona do excesso onde você será tomada por um cansaço extremo, sua mente vai começar a falhar, você vai começar se sentir confusa e vai começar a lutar contra seu próprio corpo.

Imagina se o sol resolvesse trabalhar mais horas. Exceder-se é ultrapassar os seus limites de forma prejudicial. Veja, quando o mar resolve passar dos seus limites quantos problemas ele traz.

Liberdade inconsequente?

Deus nos fez seres livres e a liberdade nos exige ter responsabilidade. Nós podemos criar uma rotina pra nós, não estamos presos a qualquer rotina como a natureza. Mas precisamos conhecer os nossos limites e ser responsáveis a fim de não nos prejudicarmos a nós mesmos. A falta de limite e a falta de equilíbrio caminham juntos. Quando ultrapassamos os limites saudáveis, ou seja, quando nos excedemos. O excesso produz dores ruins.

A dor boa e a dor ruim

A dor da superação é uma dor diferente da dor do excesso porque a dor da superação é momentânea e nos torna mais fortes. Veja quando você se exercita: você sente dor nas primeiras vezes, nos primeiros dias, mas com tempo essa dor deixa de incomodar tanto porque você se fortaleceu. As primeiras vezes que um residente de medicina assiste cirurgias e vê aquele monte de sangue é uma cena dolorosa mas que ele precisa superar. Os primeiros dias serão muito dolorosos e agoniantes mas farão parte do processo de superação daquele profissional. A dor do excesso, entretanto, é uma dor de algo que foi machucado, ferido e prejudicado.

Eu desenvolvi uma tendinite e uma calcificação no ombro. A tendinite se espalha por todo meu braço direito e me atrapalha no desempenho do meu trabalho. Quando fui ao médico descobri que tendinite e calcificação são lesões por esforço repetitivo e, ou seja, é excesso. Eu não respeitei o limite do meu corpo e não trabalhei na postura correta, não fui responsável com a liberdade que eu tenho. E assim é é em várias coisas. Podemos estar nos excedendo em nossos relacionamentos, em nossa alimentação, sendo irresponsáveis com os nossos limites, nos machucando e nos prejudicando voluntariamente. Perdendo a preciosa saúde física e emocional que temos, que muitas vezes nunca mais será a mesma.

Peça a Deus que lhe de o equilíbrio Espírito Santo pra que você se supere sempre mas não se exceda.

Comentários

  1. Acho que me excedi! Ótimo texto, ano passado ultrapassei os limites da preocupação e paguei um preço alto por isso. E agora é pedir mesmo ao Senhor que nos dê equilíbrio!!!! Por mais textos assim, muito bom.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comente aqui!

@blogmulherdivina - Instagram